Deixe um comentário

Defender o Brasil não é ser xenófobo

Defender o Brasil não é ser xenófobo

Escrito por  Mário Augusto Jakobskind

Afinal, com quem está a razão? A Presidenta Dilma Roussef garante que o leilão da bacia petrolífera de Libra, do pré-sal, foi um sucesso absoluto e que o Brasil ficará com 85% do valor das reservas. Ela, que na campanha eleitoral de 2010 prometeu que não faria mais leilões de petróleo, por considerar a medida lesiva aos interesses nacionais, foi mais adiante ao afirmar que os críticos da participação estrangeira estão sendo xenófobos.

Por Mário Augusto Jakobskind

Já os que colocam em dúvida os benefícios do leilão para o Brasil, como os especialistas Fernando Siqueira, vice-presidente da Associação dos Engenheiros da Petrobras (Aepet), Ildo Sauer, engenheiro e ex-diretor da Petrobras, bem como Paulo Metri, engenheiro e pesquisador há longos anos do setor petrolifero, questionam os números apresentados pelo governo federal.

Há um terceiro setor, mas este integra o lobie dos defensores da entrega total e absoluta da nossas riquezas energéticas, querem a volta do regime de concessão da época do chefe dos entreguistas, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Os defensores da entrega total contam com o apoio irrestrito da mídia de mercado.

Já os defensores de Dilma Rousseff são seguidores áulicos do governo, ou seja, antes de mais nada defendem, sem pestanejar, qualquer medida adotada por ela. Já os nacionalistas questionam as facilidades que, segundo eles, foram concedidas no leilão do pré-sal aos que vão explorar o campo petrolífero.

Sauer vai mais longe ainda e prevê que a China, com as duas empresas estatais (10% cada), além de garantir o petróleo para o país pretende fazer com que o preço do barril caia no mercado internacional, o que facilitaria não só os próprios chineses como países ricos como os Estados Unidos e Grã-Bretanha, entre outros. A francesa Total e a anglo holandesa Shell não perderam tempo e abocanharam também 20% cada uma da riqueza.

O argumento segundo o qual a Petrobras não teria recursos para bancar sozinha a exploração do petróleo é no mínimo discutível, para não dizer pífia. É o que insiste em repetir a mídia de mercado na defesa da entrega total e absoluta. Mesmo que a Petrobras não tivesse caixa para explorar as reservas sozinha, quem tem ao dispor para produzir petróleo uma reserva de 10 bilhões de barris, não teria a mínima dificuldade em obter financiamentos, como argumenta Paulo Metri.

E Metri vai além ao afirmar que com o super bônus, o governo trocou o benefício de satisfazer o superávit primário, de curtíssimo prazo, por perdas que irão durar 35 anos.

Fernando Siqueira é ainda mais contundente na crítica ao afirmar que o Brasil perdeu muito com o leilão e que o regime de partilha tão defendido pelo governo na prática se equipara ao da concessão em matéria de prejuízo

Siqueira insiste também em argumentar que a Presidente está mentindo ao dizer que o Brasil ficará com 85% do lucro de Libra e que arrecadará 1 trilhão de dólares em 35 anos. Para ele, o cálculo não se sustenta porque “os 15 bilhões de dólares pagos à vista, para cobrir o pagamento de juros extorsivos causaram a redução da oferta no óleo/lucro , que seria o mais importante e que caracteriza a partilha”.

E prossegue Siqueira afirmando que “a cada 0,5% ofertando a menos no óleo/lucro, a União perde um bônus, ou seja, perde mais de 15 bilhões de barris, a 100 dólares por barril, o que leva a um valor de 1,5 trilhão de dólar, ou cerca de 3.3 trilhões de reais. E assim, 0,5% de 3,3 trilhões de reais é mais do que um bônus”.

Como se pode verificar, a aritmética é complicada e se não for explicada convenientemente pode dar margem a outras interpretações, como a de que o Brasil está lucrando.

Mas uma coisa é clara e não dá margem a dúvidas: a nomeação de Osvaldo Petrosa para dirigir a empresa estatal do Pré-Sal. Ele foi o primeiro brasileiro a defender o fim do monopólio do petróleo e é também um personagem vinculado a David Zilberstajn, o ex-genro que ao se reunir com representantes das multinacionais do setor energético quando dirigia a Agência Nacional do Petróleo avisou que “o petróleo é vosso”. Zilberstajn, por sinal, voltou à tona ao ser convocado inúmeras vezes pela mídia de mercado para analisar o leilão. E o fez, claro, como sempre, defendendo os grupos internacionais.

De quebra, Dilma ainda nomeou Antônio Claudio, que joga no mesmo time dos defensores das empresas estrangeiras. Ou seja, a Presidenta que considera os defensores de interesses nacionais “xenófobos”, precisa explicar melhor porque nomeou estes senhores entreguistas para a empresa do pré-sal. Nomeações, por sinal, aplaudidas pelos de sempre.

Dilma precisa explicar também porque o Palácio do Planalto pressionou parlamentares que eram contra o leilão a mudarem de posição. O que teriam a dizer o Deputado Garotinho, o Senador Lindemberg Faria e outros menos votados?

Em suma: se estivesse por aqui, Barbosa Lima Sobrinho lembraria que entrega de mão beijada de riquezas do país e a preço de banana é algo que se alinha ao partido de Silvério dos Reis, ou seja, da traição.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: