1 Comentário

Comissão da Verdade de SP declara que Juscelino foi assassinado

 

Terça-feira, 10 de Dezembro de 2013 – 12:02 hs

Do Terra:

A Comissão Municipal da Verdade de São Paulo, nominada “Comissão Vladimir Herzog” e liderada pela Câmara Municipal, declarou nesta segunda-feira (09) que não há dúvidas sobre o assassinato do ex-presidente da República, Juscelino Kubitschek, morto num acidente de carro em 1976.

Em relatório que será apresentado nesta terça-feira (10) na Câmara, o presidente da comissão, vereador Gilberto Natalini (PV), diz ter mais de 90 indícios, evidências e provas de que o JK não sofrera apenas um acidente de carro que o vitimou em 22 de agosto de 1976, durante viagem de carro na Rodovia Presidente Dutra, no Rio de Janeiro.

“Não temos dúvida de que Juscelino Kubitschek foi vítima de conspiração, complô e atentado político. Há provas documentais e testemunhos importantes, em mais de 29 páginas do relatório que será apresentado amanhã”, conta Gilberto Natalini.

Depoimentos
Há cerca de um mês e meio, a Comissão da Verdade ouviu o depoimento do motorista Josias Nunes de Oliveira, hoje com 69 anos, apontado durante a Ditadura como o responsável pelo acidente que provou a morte do ex-presidente.

Na ocasião do depoimento, Oliveira disse que depois do acidente dois homens ofereceram, na delegacia e na casa dele, dinheiro para que assumisse a culpa pelo acidente de 76.

O motorista dirigia o ônibus Cometa que bateu contra o carro do ex-presidente, matando Kubitschek e o motorista do carro, Geraldo Ribeiro, que na época dirigia o Chevrolet Opala adorado pelo ex-mandatário brasileiro. “Eles foram na minha casa e disseram que se eu não aceitasse o dinheiro e assumisse a culpa, eles bateriam em mim”, declarou aos vereadores Josias Nunes de Oliveira.

Além de Josias, a Comissão Municipal ouviu Serafim Jardim, que era secretário particular de Juscelino naquela ocasião; Paulo Castelo Branco, que solicitou a reabertura das investigações do caso em 1996; Paulo Oliver, um dos 33 passageiros do ônibus dirigido por Oliveira; e Gabriel Junqueira Villa Forte, filho do proprietário do hotel no qual o ex-presidente ficou hospedado antes do acidente fatal daquela noite.

No depoimento dado à comissão em Agosto, Serafim Melo Jardim disse ter certeza de que JK vinha sendo vigiado. “Acompanhei o presidente desde que voltou do exílio. Sempre que viajávamos ele dizia: “Estão querendo me matar”, afirmou o ex-secretário, que acompanhou JK durante os últimos nove meses de vida.

Fraudes
Na época do acidente, Juscelino Kubitschek tinha 73 anos e havia recuperado os direitos políticos cassados pelo regime militar pouco tempo antes. Ele sempre fora tido como “inimigo dos militares” e “ameaça” à estabilidade política daquele período.

Segundo o vereador Gilberto Natalini, a partir desses quatro depoimentos a Comissão começou a investigar o caso e chegou ao veredicto: “Em cima desses depoimentos, fomos atrás de documentos que comprovassem as informações. Descobrimos laudos falsos, erros processuais e de perícia que nos levaram a declarar que Juscelino Kubitschek fora vítima de uma conspiração”, afirma o presidente da comissão.

Os documentos que comprovam a linha de raciocínio defendida pela comissão paulistana serão apresentados em reunião de amanhã, às 11h00 da manhã, na Câmara.

A partir do momento que o relatório for público, a Comissão Vladimir Herzog deve encaminhar os documentos para Brasília, no intuito de que a Comissão Nacional da Verdade também declare o assassinato de Juscelino Kubitschek. “É um caso de Justiça para com os brasileiros, a família do ex-presidente e a história do nosso país”, aponta Natalini, que também já foi perseguido político, torturado pelos militares na época do regime de exceção pela operação Oban.

Os restos do carro onde o ex-presidente Juscelino Kubitschek estava na noite do acidente, em 30 agosto de 1976 (Foto: Arquivo/AE)

Direitos cassados
Além da declaração de complô contra JK, a Comissão Vladimir Herzog realiza nesta segunda-feira (09) uma cerimônia onde vai restituir o mandato para 42 ex-vereadores, cassados em São Paulo por crimes de opinião, perseguição política e de cunho ideológico.

Os mandatos incluem não apenas os crimes praticados pelos militares da junta de presidentes não eleitos que governou o País após 1964, mas também de todo o período anterior, até 1939.

Além de comunistas e socilistas, a lista incluí dois militantes de extrema direita e do antigo Partido Integralista, de Plínio Salgado. “São personagens cujo único crime foi declarar preferência partidária e ideológica. Independente de que lado estavam, tinham o direito da livre opinião e foram censurados. Apenas dois deles estão vivos. Mas através das famílias, queremos demonstrar a nossa solidariedade e preservação da memória desses valorosos parlamentares”, explica Natalini.

Anúncios

One comment on “Comissão da Verdade de SP declara que Juscelino foi assassinado

  1. Os documentos serão apresentados amanhã. Teríamos que ter acesso às provas, já que me pareceu frágil o depoimento. Penso ser prematura qualquer coisa com ares de constatação final. Mas, de qualquer forma, o ex-presidente, por óbvio, era vigiado pelo sistema da época.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: