Deixe um comentário

O etanol e o samba de uma nota só da política econômica

É incompreensível a maneira como o governo Dilma Rousseff vem tratando a questão do etanol.

Nos vários planos de política industrial, um dos pontos centrais é o estímulo a setores nos quais o país tenha vantagens competitivas.

Não existe setor mais de acordo com a vocação brasileira do que o etanol:

Parte de um diferencial competitivo brasileiro, que é a produtividade da cana, os avanços tecnológicos do setor e a disponibilidade de terras.

É um produto industrializado, fugindo da maldição das commodities de baixo valor agregado.

Em que pese os efeitos da crise mundial, é uma commodity que poder ser comercializada internacionalmente.

No entanto, o setor está sendo demolido pelo samba de uma nota só que passou a dominar a política econômica, a ênfase total no combate à inflação.

***

Reajustes de preços essenciais – como os combustíveis – tem dois impactos sobre a inflação. Em períodos de reajustes generalizados de preços, podem colocar mais lenha na fogueira. Em períodos mais calmos, impactam apenas uma vez a inflação, no mês em que forem aplicados.

Por isso mesmo, em um quadro de reajustes disseminados de preços, evitam-se choques adicionais. Mas, passados esses momentos críticos, há que se trazer os preços de volta à realidade para evitar as sequelas.

Não é isso o que vem acontecendo.

***

Até a crise de 2008 – e a descoberta do pré-sal – o mercado do etanol estava em franca expansão. O boom da economia mundial estimulava as campanhas pelo desenvolvimento sustentável. Os estímulos dos EUA ao etanol de milho abriam espaço para a criação de um mercado internacional. Havia planos de se avançar sobre a América Central e a África, levando não apenas o etanol, mas tecnologia agrícola, usinas, gestão agrícola e capitais.

***

A crise derrubou provisoriamente o interesse internacional pelo meio ambiente e, automaticamente, pelo etanol.

Mas o combate primário à inflação fez o trabalho sujo. Para impedir pressão sobre os preços, o governo tirou a CIDE (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico) da gasolina e segurou os reajustes. Ora, devido à diferença energética atual, o preço do etanol deve corresponder a 75% do preço da gasolina, para ser competitivo. Com o preço da gasolina sendo contida, o etanol não conseguiu manter a competitividade.

***

A medida racional seria recompor os preços assim que cessassem as pressões sobre a inflação. Não foi feito.  Havia também um conjunto de medidas compensatórias que também foram deixadas de lado.

Por exemplo, o governo Dilma concedeu incentivos extraordinários à indústria automobilística, com a isenção de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados). Bastaria um IPI diferenciado para induzir o setor a desenvolver motores com um fator de paridade superior a esses 75%.

***

Mas a política econômica atual sofre de uma incapacidade crônica de atuar em ambientes complexos – como o da economia. Define-se uma prioridade – o combate à inflação – e lança-se mão de qualquer medida que esteja na prateleira, sem a menor capacidade de analisar as consequências.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: