1 Comentário

O DIA EM QUE A PETROBRAS MATOU PAULO FRANCIS

Imagem

Paulo Francis acusou os diretores da Petrobras, no governo FHC, de ladrões. A diretoria entrou com um processo contra ele em Nova York.  Ele enfartou e morreu. Dizem uns que foi por causa dessa ação, dizem outros que não. Leiam as duas matérias abaixo para fazer juízo. (CF)

 

Hélio Gaspari

 

Volto a contar o que aconteceu com o grande jornalista Paulo Francis no ano de 1997. Ele criticava a Petrobrás e um belo dia disse que todos os seus diretores roubavam. O presidente da empresa era o Joel Rennó. Pois bem, o cara moveu um processo de 100 milhões de dólares contra Francis, que morava nos Estados Unidos e escrevia para a Folha, além de aparecer na Globo de vez em quando. Era leitura obrigatória para quem queria ser bem informado. (Não vou esconder que ele exagerava sua cultura, e chutava um bocado, mas era, disparado, o mais inteligente, o mais preparado entre todos os jornalistas do país. Da mesma maneira que todos nós havia sido radicalmente de esquerda). A Petrobrás entrou em fúria. Contratou advogados excepcionais e tudo que o NOSSO DINHEIRO podia comprar. Bem, Paulo Francis ficou desesperado, e seu descontrole no programa Manhattan Connection era visivel. Ele declarou para alguns: “Tantos anos de jornalismo, tanta experiência, e me esqueci de colocar a palavra QUASE” . Ele se referia á frase que deveria ter sido, “Quase todos os diretores da Petrobrás roubam”, ou seja lá o que tenha sido. Isso aconteceu no governo de Fernando Henrique a quem ele criticava muito, e hoje vejo que ele tinha toda razão. Bem, sem mais recursos pediu a ajuda de Serra, que ele havia hospedado em seu apartamento em Nova Yorque quando este fugiu do Chile no golpe de Pinochet que evitou a cubanização do país. Em suma, jogou a toalha, se humilhou, e pediu que Serra intercedesse por ele junto ao FH. Serra atendeu seu pedido. O que fez FH ? Ao invés de pegar o telefone e ordenar a Renó encerrar imediatamente o processo deve ter dito alguma coisa tipo bate de leve. Bem, Rennó aliviou minimamente o processo. Paulo Francis continuava sem saída. Vai daí que ele morreu de enfarte, provavelmente em virtude da extraordinária tensão, que todos podíamos ver em seu rosto, gestos e palavras.  Essa é a história. E, AGORA, VAMOS AO ÓBVIO ULULANTE: O MALDITO JOEL RENNÓ ERA MESMO UM LADRÃO, ESTAVA NOS ROUBANDO: “O ex-presidente da Petrobrás Joel Rennó e outros 13 ex-dirigentes da estatal foram condenados a devolver aos cofres públicos US$ 47 milhões e 200 mil. Eles foram condenados por improbidade administrativa” (publicação  Alerta Total, de 12 de outubro de 2005)

Vou colocar para os leitores o amargurado e famoso artigo de Élio Gáspari publicado logo após a morte de Paulo Francis :

 

DOUTOR JOEL RENNÓ, O SENHOR GANHOU

por Elio Gaspari, para a Folha de S.Paulo e O Globo, em 5 de fevereiro de 1997
Talvez o presidente da Petrobrás, doutor Joel Rennó, não saiba (e sabe-se lá o que o doutor Rennó sabe), mas nos últimos meses ele foi um estrategista vitorioso. Conseguiu o seguinte: Paulo Francis vivia sobressaltado pelo processo que a Petrobrás lhe movia na justiça americana, exigindo US$ 100 milhões de indenização por conta de ataques que fizera à diretoria da empresa no programa de televisão “Manhattan Connection”. Era difícil conversar com Francis por mais que uns poucos minutos sem que ele se queixasse do absurdo da situação. Rennó o processava nos Estados Unidos por coisas, ditas numa televisão brasileira, que jamais foram ao ar fora do Brasil. Francis perdeu o sono. Naquela armadura de arrogância havia uma pessoa tensa, afetuosa, tímida, solitária e desajeitada. Era-lhe difícil comprar uma camisa na Brooks Brothers, incompreensível tratar com um advogado da defesa num processo que ameaçava arruiná-lo. Percebera a tática do doutor Rennó. Com os recursos ilimitados da empresa, mesmo sabendo que perderia o caso, o presidente da Petrobrás pretendia espichar o litígio até o limite do possível. Seu propósito era azucrinar a vida de Francis. Quem já teve uma questão judicial num simples condomínio de edifício sabe o aborrecimento que um processo provoca em quem não é advogado. Imagine-se o que vem a ser um processo de US$ 100 milhões, o maior do gênero na história brasileira e um dos maiores na dos Estados Unidos. A partir de comentários aos quais Francis dava tom casual, um de seus amigos fraternais, pessoa de fina percepção psicológica, tocou um sinal de alerta para o Brasil: a situação era bem mais grave do que ele demonstrava. Há umas poucas semanas, Francis recuperara um pouco da tranquilidade. O presidente Fernando Henrique Cardoso, informado pelo senador José Serra do efeito que o processo do doutor Rennó causara ao estado emocional de Francis, pedira que se chegasse a um entendimento que desse fim ao caso. Foi uma melhora sensível, porém momentânea. Tratado o caso com o doutor Rennó, ele astuciosamente jogou a bola para os advogados que a viúva paga a Petrobrás em Nova York. Sugeriu que Francis os procurasse. Pessoa incapaz de sustentar com desembaraço uma conversa de coquetel com um estranho, Francis consultou seu advogado. Ele lhe explicou que a iniciativa devia caber a Petrobrás. A bola voltou ao meio do campo, e Francis viu-se diante da possibilidade de continuar sendo chutado de um lado para o outro. Na última semana, tentava encontrar uma maneira de desatar o nó. Dissera que todos os diretores da Petrobrás tinham contas secretas na Suiça e, em pelo menos duas ocasiões, retratara-se quase que inteiramente. Tinha duas preocupações. A primeira era o transtorno do processo. A segunda, o receio de que pudesse parecer intimidado. Estava abatido. Quanto mais magoado, mais atacava, como se Rennó tivesse conseguido produzir um mecanismo no qual sua valentia se alimentasse de angústia. A gestão estimulada por FFHH caducou na manhã de ontem. Paulo Francis está morto. O que o doutor Rennó precisa saber (e sabe-se lá o que ele sabe) é que conseguiu ferir o seu adversário. Seu processo ocupou um espaço surpreendente na alma de Francis. Tomou o lugar não apenas do sono, mas também dos seus prazeres da música e da leitura. O traço obsessivo de sua personalidade, que com muita frequência colocava a serviço do conforto dos amigos, foi ocupado pelo assombro de se ver perseguido. Dizer que o processo do doutor Rennó o matou seria uma injustiça. O que aconteceu foi outra coisa. O doutor Rennó conseguiu tomar uma carona no último capítulo da biografia de Paulo Francis. E, se algum dia Rennó tiver biografia, terá Paulo Francis nela. É difícil que consiga fazer coisa melhor, sobretudo à custa do dinheiro da viúva.

 

 

 

A verdade sobre a morte de Francis

Por Lúcio Flávio Pinto em 27/07/2010 na edição 600

 

Se ainda estivesse vivo, Paulo Francis iria completar 80 anos de idade em 2 de setembro. É de se prever que alguém aproveitará a data redonda e jubilosa para atribuir a morte do jornalista, em fevereiro de 1997, aos 67 anos, a uma ação de indenização proposta contra ele pela diretoria da Petrobras na época, liderada pelo presidente, Joel Rennó. Francis afirmou, pela televisão, que os diretores da estatal brasileira do petróleo (já não tão estatal assim) tinham contas secretas na Suíça, prova de seu enriquecimento ilícito.

Em outubro de 1996 os acusados processaram o jornalista por dano moral, cobrando indenização no valor de 100 milhões de dólares. Francis não tinha prova alguma do que afirmara. Mais uma vez, “chutara” para provocar uma polêmica, uma das suas especialidades e a principal razão do seu sucesso profissional. Desde então, o enfarte fulminante que o matou na madrugada de 2 de fevereiro é atribuído – ou, pelo menos, associado – a essa ação.

Um livro esguio, em formato pequeno, talvez o melhor já escrito sobre o personagem (embora o menor), deve ajudar a acabar com esse mito. Paulo Eduardo Nogueira, atualmente editor da Scientific American Brasil, fez o que todo jornalista deveria fazer ao se propor abordar um tema: não ficou apenas nas versões (que, na maioria das vezes, são mais glamourosas ou interessantes do que a verdade) e foi atrás dos fatos em seuPaulo Francis – polemista profissional (Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010, 160 páginas, coleção Imprensa em Pauta, R$ 19,90).

Ninguém precisaria ser advogado (bastaria ter rudimentos de direito) para perceber que a ação não prosperaria. É pouco provável que, por inadvertência, os dirigentes da Petrobras tenham proposto a demanda em Nova York, foro incompetente para processar o pedido. Afinal, a acusação de Paulo Francis foi feita noManhattan Connection, programa semanal de talk-show do canal GNT (estreado em 1993), que só é exibido no Brasil. Não importa que a gravação tenha sido em NY: para fins de direito, o foro é o local de exibição (ou, no caso de publicação escrita, de sua circulação).

Sem surpresas

A proposição nos Estados Unidos tinha o evidente objetivo de se beneficiar da doutrina e da jurisprudência americanas, que (ao contrário do procedimento brasileiro) admitem valores elevados como verba indenizatória por danos morais, uma lesão subjetiva, difícil de mensurar.

Afora esse propósito, não parecia haver a determinação dos diretores da Petrobrás de sacar US$ 100 milhões de Francis. Talvez quisessem mesmo era assustá-lo, o que pode explicar a omissão do presidente Fernando Henrique Cardoso. Amigo de longa data de Paulo Francis, FHC não usou o poder que tinha para desestimular Rennó e colegas da ação, o que teria magoado Francis profundamente. Ele também sofreu com “o silêncio eloqüente da maioria dos colegas jornalistas, sobretudo de velhos amigos, que não saíram em seu apoio”, relata o biógrafo.

Francis contratou no Rio de Janeiro o advogado Paulo Mercadante, amigo de 40 anos, e em Nova York Deborah Srour, de um escritório de advocacia especializado em litígios no Brasil. Reclamava por ter de pagar US$ 7 mil a essa advogada. Mas já no início de janeiro de 1997 “seus advogados estavam otimistas. Semanas depois, a morte de Francis se encarregaria de encerrar a contenda. E o processo acabou arquivado por inadequação de foro: o juiz americano considerou que a denúncia deveria ser feita em cortes brasileiras”, informa Paulo Nogueira.

O próprio Francis “achava que venceria nos tribunais”. Sua rotina, que incluía intensa atividade cultural, não foi alterada. Ele ficou abalado pelo processo, mas seria “estupidez” atribuir à ação a causa da sua morte, depõe Elio Gaspari, que tem outra explicação para o desenlace: “O traço obsessivo de sua personalidade, que com muita frequência colocava a serviço do conforto dos amigos, foi ocupado pelo assombro de ser perseguido”.

Paulo Nogueira faz a mais detalhada reconstituição psicanalítica do passado de Francis, com um pai frio e uma mãe amada, mas distante, da qual foi separado pelo internamento em colégios de beneditinos e jesuítas. Assinala todos os traumas e dificuldades que modelaram a personalidade de um homem aparentemente agressivo (e que de fato o foi em numerosas ocasiões), mas por dentro cheio de afetividade reprimida, malmente canalizada para seus amigos e mesmo desconhecidos. Alguém que se sabia menor do que pensava ser – e do que pretendia ainda ser.

Francis tomava antidepressivos à base de lítio para equilibrar-se: amanhecia de péssimo humor e só melhorava com o avançar do dia (e a ação do medicamento). Podia ter reações súbitas explosivas e manifestações inesperadas de paciência e carinho. Tinha que manter seu ego no altar para não sofrer recaídas. Em 1979, a reação ruim da crítica ao seu primeiro romance, Cabeça de Negro, arruinou seu aniversário de 49 anos. Tomou 10 Librium diários nesse período e, segundo seu biógrafo, chegou a pensar em suicídio.

Com um perfil que combinava total sedentarismo com consumo desenfreado de álcool e outras drogas em parte significativa da vida, além de outros complicadores, não surpreende a morte antecipada. Mas que podia ter sido adiada se o médico Jesus Cheda, que o tratava desde a década de 70, tornando-se seu amigo, ao invés de receitar mais injeções de cortisona para amenizar as dores da crônica crise de bursite, tivesse solicitado um exame do coração. O enfarte veio três dias depois da última aplicação. O médico já estava no Rio de Janeiro, para o carnaval.

Rico e conservador

O processo da Petrobras comprovava mais uma vez a restrição feita pelos seus críticos: de que ele não era rigoroso com os fatos, dos quais chegava a desdenhar ou que simplesmente inventava, da forma mais antiprofissional possível. Francis nunca foi exatamente um repórter, o que enfraquecia sua condição de jornalista. O título de o jornalista brasileiro mais bem pago, depois de quatro décadas em constante evidência, como grande polemista, um dos maiores de todos os tempos no país, se sustentava na sua excelente memória, rara capacidade de leitura, texto coloquial e vocação para agitar idéias, “raciocinando em bloco”, como se dizia na época de O Pasquim.

Por ser brilhante em muitas coisas, Paul Trannin Heilborn não foi consistente em nenhuma das suas múltiplas virtudes especificamente. Podia dar-se mal se fosse confrontar com especialistas cada uma das suas tiradas sobre história, ciência política, psicologia ou outros ramos do saber. É pouco provável, entretanto, que a esmagadora maioria desses acadêmicos conseguisse atrair a atenção do grande público como Francis, que não carregava no colete nenhum diploma universitário. Mal freqüentou aulas na Famosa Faculdade Nacional de Filosofia, no Rio.

Mas em 1954 fez mestrado em literatura inglesa e teatro com ninguém menos que Eric Bentley, grande crítico e historiador do teatro. No Brasil dos nossos dias, não penetraria nos umbrais das universidades, ao menos as públicas. Muito menos seria jornalista, exceto agora, quando caiu o monopólio do diploma do curso de comunicação social para o exercício da profissão (mas só por ora, se depender das entidades corporativas).

A bibliografia de Paulo Francis, que compreende 13 volumes, com nove livros de ensaios e jornalismo, mais quatro de ficção, é pouco citada e o será cada vez menos com o passar do tempo. Grande leitor de romances e poesias, se frustrou naquela que era sua maior ambição: ser um grande escritor. Também ficou irrealizado seu sonho de se tornar intelectual do mundo: não conseguiu publicar artigos na Meca dos escritores, o semanárioNew York Review ok Books, nem ter um livro em inglês. O projeto de Getúlio Vargas, o homem que inventou o Brasil, não emplacou porque ele não se ajustou às exigências da prestigiosa Random House, depois de ter escrito 70 páginas do livro, em 1993.

Quando morreu, tinha duas páginas inteiras por semana em O Estado de S. Paulo, sem ser censurado (nem mesmo antes, porque os militares não prestavam atenção ao exterior, segundo Paulo Nogueira), o mesmo espaço em O Globo, aparições constantes na TV Globo e o Manhattan Connection, ao lado de Lucas Mendes e Caio Blinder. Era ao mesmo tempo influente e popular. Quantos jornalistas chegaram a esse topo?

Por isso, Sérgio Augusto, um dos seus amigos íntimos e o mais lúcido dos seus críticos, que não baixou a crista para os erros do colega, alerta no livro que não se pode “negligenciar a importância do convívio de Francis, a partir de certa época, com um círculo de ricaços e conservadores, gente como Delfim Netto e o banqueiro Ronald Levinsohn, que, a meu ver, muito mal fizeram à sua cabeça. A tão propalada guinada ideológica do Francis também é fruto de sua ascensão financeira como jornalista”.

Certa avidez pelo dinheiro, que o fazia lamentar o pagamento feito à advogada americana (o brasileiro provavelmente nada lhe cobrou), a ameaçar seu patrimônio material, e as idéias cada vez mais extremadas, perturbavam e o levavam a tomar posições incompatíveis com sua condição de analista. No depoimento que prestou a Gianni Carta para o livro À Margem do Sena, Reali Júnior aponta a distorção deliberada de Francis em outra acusação que fez: de que Lurian, a filha extraconjugal de Lula, era mantida pela Construtora Andrade Gutierrez em Paris como princesa.

Sua matéria causou estragos ao candidato do PT, na primeira disputa pela presidência da República, e beneficiou seu principal adversário, Fernando Collor de Mello, pelo qual Francis se entusiasmara tanto (por ser também rico e conservador como ele?), que praticamente adotara como seu príncipe (no conceito gramsciniano), apostando completamente errado, por qualquer critério de análise.

Polemista notável

O jornalista que estava acima de tudo para poder tratar de tudo e a tudo atingir, já descera à arena como personagem, não de fato, mas de papel, um mau papel, como em seus desconjuntados romances, sem tipos bem construídos, sem a grandeza da melhor literatura – e, no caso, nem do melhor caráter. “Francis morreu na hora certa”, definiu Sérgio Augusto com propriedade.

Talvez chegasse aos 80 anos como a negação do que foi de mais importante: um polemista notável e um editor como poucos. Basta lembrar sua trajetória por Senhor, a revista que esteve muito além do seu tempo (entre 1959 e 1962), o Quarto Caderno do Correio da Manhã (1967/68) e a revista Diner´s (1969), três das melhores publicações da história da imprensa brasileira.

Este Francis ficará. O outro, o mais recente, morreu antes de destruir o que construíra, conforme o enredo da má ficção que forjou.

***

Jornalista, editor do Jornal Pessoal (Belém, PA)

 

Anúncios

One comment on “O DIA EM QUE A PETROBRAS MATOU PAULO FRANCIS

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: