Deixe um comentário

Gérard Dumenil: A contradição que pode desafiar o neoliberalismo

 

publicado em 24 de abril de 2014 às 14:54 VIOMUNDO DE LUIZ CARLOS AZENHA

por Luiz Carlos Azenha

Como os leitores do Viomundo, muito bem informados, já sabem — os da FolhaO Globo e Estadãovão levar algumas semanas para descobrir — os economistas franceses estão em evidência.

Nos Estados Unidos, o livro Capital no Século Vinte e Um, de Thomas Piketty (ainda não traduzido para o português) é um fenômeno de vendas. Na Amazon, esgotou. Só existe em versão digital. O autor fala a auditórios abarrotados. É detonado pelos neoliberais.

Comecei a ler, mas ainda não terminei. Baseio-me em resenhas.  Piketty pesquisou estatísticas de um grupo de países do capitalismo central dos últimos três séculos. Concluiu que a produção de desigualdade não é um fenômeno do neoliberalismo, mas inerente ao sistema capitalista. A única forma de enfrentá-la, hoje, seria criar um imposto global sobre o capital. Ou isso, ou a barbárie.

Pode se inferir, a partir do conteúdo do livro, que o capitalismo de “livre mercado” é incompatível com a democracia liberal, motivo pelo qual o livro bombou nos Estados Unidos.

Um articulista do New York Times escreveu: Capitalismo vs. democracia.

Na segunda-feira, desde Nova York, publicaremos artigo de Heloisa Villela a respeito do livro que promete ser best seller mundial.

Aqui no Brasil, os franceses Gérard Dumenil e Dominique Lévy estão lançando, pela Boitempo, A Crise do Neoliberalismo.

Gérard fará uma série de palestras sobre o livro.

Conversei hoje cedo, por telefone, com o autor.

O livro descreve o neoliberalismo como uma reação dos capitalistas aos ganhos obtidos pelas chamadas classes populares no pós-guerra, especialmente através do New Deal do presidente Franklin Delano Roosevelt, nos Estados Unidos.

Começando nos anos 70 e 80, no Reino Unido e nos Estados Unidos, através dos governos de Margaret Thatcher e Ronald Reagan, os capitalistas estabeleceram aliança com a chamada classe gerencial de empresas públicas e privadas, tendo como objetivo reconquistar os lucros e o poder.

Houve transformação radical no gerenciamento de empresas, além da globalização e da financeirização.

Os capitalistas ganharam de forma espetacular.

O laboratório neoliberal havia sido o Chile de Pinochet. Na globalização, diria eu, Azenha, a Dina — polícia política do ditador chileno — foi substituída pelo discurso único da mídia corporativa. Saiu o pau-de-arara do Fleury, entrou o poder coercitivo dos irmãos Marinho, a cadeira-de-dragão verbal do Sardenberg-Miriam Leitão-William Waack.

Na crise de 2008, segundo Gérard Dumenil, os feiticeiros do capitalismo “perderam o controle de sua própria mágica”.

Resultado de desequilíbrios internos nos Estados Unidos: a dívida altíssima dos domicílios e o gigantesco déficit comercial de Washington.

Seis anos depois, a crise permanece.

O autor francês prevê que ela será de longa duração.

Nisso, coincide com seu colega Thomas Piketty, que tem falado em décadas de crescimento pífio das economias dos Estados Unidos e Europa. Em outras palavras, acreditam que o mundo capitalista vai se arrastar correndo o risco sempre iminente de explosão social.

Gérard diz que o fracasso no enfrentamento da crise se deve ao fato de que não mudaram as bases do neoliberalismo.

Continua nos Estados Unidos a lógica da distribuição de dividendos, da exportação de capital e da recompra de ações por empresas com o objetivo de sustentar o valor dos papéis nas bolsas.

É como se a crise de 2008, afinal, não tivesse acontecido!

Sobre o futuro, ele contempla tanto saídas à esquerda quanto à direita — com o espectro da extrema-direita rondando no horizonte.

Porém, Gérard Dumenil aponta uma contradição central que pode ameçar a aliança entre capitalistas e a classe gerencial que trabalha em nome deles: a perda de poder relativo de Washington em relação a outros países.

Para manter a hegemonia norte-americana, a classe gerencial sabe que é preciso cobrar impostos que os capitalistas evitam recorrendo aos paraísos fiscais — refúgios é uma definição melhor.

Cobrar impostos, por exemplo, para sustentar as forças armadas. Para cuidar da infraestrutura. Para não perder da China.

Para o economista francês, este descolamento entre os capitalistas norte-americanos e os interesses políticos/estratégicos/econômicos/diplomáticos dos Estados Unidos pode ser um fator definidor do futuro.

Na classe gerencial, aliás, já tem gente pregando o fim dos refúgios fiscais, sem os quais o lucro dos capitalistas não sobrevive!

Um rearranjo na aliança que comanda o neoliberalismo poderia provocar mudanças significativas no futuro.

Um relatório recente da Oxfam concluiu que as 85 pessoas mais ricas do mundo controlam riqueza equivalente à dos 50% mais pobres.

Será possível sustentar isso a longo prazo?

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: